Monday, January 14, 2013

O fim

Um dia você vai chegar com os olhos tristes e um sorriso de adeus. Vai tocar meu rosto com doçura - mas se ela sobrará no gesto, faltará nas palavras. Jogaremos fora uma vida de planos para escrever uma nova. Uma na qual os dias não começam entre beijos. Uma sem a sua ajuda com as compras do mercado. Sem histórias na hora da janta, sem risada antes de deitar. 

E aí eu vou lembrar do quanto gostava de perambular por aí sozinha, conversando com gente desconhecida em bancos de praça ou sentada no metrô. Você vai voltar pras noites sem começo e sem fim. Eu vou pra cama com um cara que acabei de conhecer. Você vai administrar três garotas num fim de semana. Eu vou dançar nua pela casa. Você vai ouvir música deitado no tapete da sala. Vamos cozinhar sozinhos no meio da noite de terça, porque já passam das 22h e estamos famintos. Você vai fazer um sanduíche com requeijão e mortadela. Vou improvisar um risoto de camarão.

As segundas serão os dias mais solitários. Os homens bonitos vão deixar de ser arquitetura. As mulheres mais ou menos de repente dão pro gasto. A gente vai se perder em outras bocas, outros gostos, outros corpos. Vamos aprender novos encaixes dentre o repertório que tínhamos antes um do outro. Vai ser um marco assim: antes e depois.

Mas enquanto você dorme ao meu lado, nada disso importa. Tiro uma mecha de cabelo da sua testa, lhe faço carinho na cabeça. Mal começamos, menino. Deita a cabeça no meu ombro e vem ser comigo o melhor que pudermos, sem noia e sem fim até onde der. Que coisa, um fim. Só inventei esse aqui pra não nos preocuparmos com ele (o nosso). "A gente pode durar um ano, três meses ou a vida inteira. Pra mim, já valeu".

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home